Entrada para o novo mundo

No aproveitamento da viagem para a inauguração do Aeroparque Aldeia da Serra (PR) a chance de saber como é a proposta para entrar no mundo dos carros da Mercedes-Benz.  Pelo menos é o que ela pretende com as versões do classe A. Mais que serem os modelos mais em conta de seu catálogo, essa plataforma foi feita para atrair novos consumidores, talvez de marcas genéricas e que se predispõe a pagar um pouco mais para ter um modelo premium. E tem para todos os gostos, vai do CLA 180 hatch de R$ 147.900,00 ao sedã de alto desempenho AMG CLA 45 de R$ 377.900,00 e, claro, os SUV em cinco versões saindo a partir de R$ 167.900,00 até R$ 246.900,00. E para ver como os SUV são importantes, considerando todos os modelos A, os GLA abocanham 62,6% das vendas com 1.100 unidades vendidas. O A hatch corresponde a 19,1% com 335 unidades e o CLA por 18,3% com 322 unidades vendidas.

Pudemos colocar as mãos e pés no GLA 200 ff Night que na tabela sai por R$ 189.900,00. A carroceria não é tão encorpada como se deva esperar de um SUV. Nem tão alta apesar do carro estar calçado em belas rodas de liga leve aro 19. Esta versão ganhou uma grade frontal com elementos perfurados como o do GLS e agora vem com faróis e lanternas de LED. A versão é intermediária em acabamento e equipamentos dentro do que você possa desejar na loja. Se quiser mais suspensão e motor terá que escolher o GLA 250 Sport que é 30mm mais alto. Entrando no ff Night a princípio ele entrega o que se espera de um Mercedes e isso pode ser uma ressalva nos comandos. As coisas estão nos lugares para quem só anda de Mercedes, mas totalmente ao contrário para quem usa carros de outras marcas. O câmbio está numa haste atrás do volante onde normalmente é feito comando dos limpadores do parabrisas e vigia traseira. Para cima é a ré, para baixo se anda para frente, no meio está o neutro e o freio de estacionamento está num botão na extremidade. No lado esquerdo há dois comandos satélites. O de cima é do pisca em conjunto com os limpadores e farol alto, embaixo está o do piloto automático/limitador de velocidade. Se não memorizar ou tendo a falta de costume é fácil acionar o ponto morto andando, quando se queria era fazer funcionar o limpador do parabrisas. Aconteceu duas vezes conosco e pode criar uma situação embaraçosa. No nosso caso, o parabrisas começou a embaçar do lado de fora e de repente estávamos sem visão, tração e os giros do motor disparando numa curva de serra. Respirar fundo foi preciso. Fora isso a cabine tem alguns pontos bons e outros nem tanto. O painel tem mostradores convencionais sendo que no centro do painel é possível ter diversas informações e configurações de computador de bordo, GPS além de um bem útil velocímetro digital. Às vezes visualizar os 50, 60 ou 110km/h indicados era um pouco trabalhoso no mostrador principal. O sistema de info entretenimento está numa tela que não é sensível ao tato e se  parece com um tablet colocado em cima do painel. Outros modelos da marca também usam deste artifício. Poderia ser algo mais integrado já que o conjunto geral do painel com detalhe em alumínio escovado na parte do passageiro, o console central cheio de porta trecos e as saídas de ar redondas parecendo turbinas é bem atraente. O comando do som também é meio esquisito com um monte de teclas longe do alcance imediato do motorista e o uso não é nada intuitivo. Em alguns momentos é preciso usar um comando circular no centro do console e em outros, dependendo do dispositivo que estiver usando (som ou GPS) o comando muda de lugar, precisando usar alguma tecla. Não há no volante forrado em bom couro um modo para passar a música que está tocando. Neste você aciona o telefone conectado por bluetooth ou as informações na telinha central do painel. Falta uma certa integração e praticidade. Pelo menos é possível fazer o espelhamento do celular por meio do Android Auto ou AppleCar Play e checar as informações do Waze e Whatsapp direto na tela do carro. Fora isso, um bom conforto para um carro compacto. O banco do motorista tem regulagem elétrica – com comandos na porta – incluindo a lombar e com memorização enquanto que o do passageiro, se é de ajuste mecânico, tem uma aba que prolonga o formato do assento. Dois dos três passageiros o banco de trás se acomodam bem, mas o do meio sofre em etapas mais longas por conta do alto túnel central no piso. O ambiente conta com ar condicionado analógico e há 7 airbags no habitáculo. O GLA 200ff Night pode estacionar sozinho. O sistema não precisa ser acionado e busca vagas na lateral onde caiba o carro. Achando, basta engatar a ré que ele faz o procedimento. Andando o GLA 200 ff Night é um pouco carro família demais para um carro que pode ser para um casal novo, sem filhos. Se colocar no modo Eco, é preciso ter um certo grau de paciência pois na busca por um regime de biafra, o desempenho foi deixado em oitavo plano. Há um grande retardo de acelerador. Na cidade onde o modo deveria ser mais indicado, o GLA acaba ficando meio lerdo mesmo no anda e para do trânsito mais pesado. Os modos Confort e Sport funcionam melhor. Na estrada com o carro embalado, o retardo se mostrou menos pronunciado, mas isso se somente o fluxo de trânsito fosse contínuo e sem ultrapassagens. Se quisesse potência era preciso correr para uma tecla no console central e apelar para o modo esportivo ou, mais fácil, usar bem o câmbio de sete marchas bem escalonadas (acionáveis por borboleta atrás do volante) e dupla embreagem que realiza as passagens das marchas de forma quase imperceptível até em modo esportivo. Conseguimos fazer as acelerações de 0-100km/h em 10,13s um pouco acima dos 9,7s que vimos em outras matérias ou os 8,1s divulgados pela fábrica. De qualquer forma uma performance abaixo – sem exigir milagres – do que se poderia esperar de um carro que pesa 1.435kg com motor 1.6 turbo de 156cv e torque de 25,49kgf.m entregues desde os 1.200rpm até os 4.000rpm. Não é sabido até que ponto a altitude de 1.021m que estávamos e sabe–se lá qual a qualidade da gasolina tenha influenciado no resultado. Talvez com álcool, já que o motor é flex, daria para chegar em números melhores. Mais que isso deu para ver que os engenheiros da Mercedes fizeram um trabalho para preservar a transmissão. Freando o carro e pisando fundo no acelerador, em modo esportivo mas deixando o sistema de controle de estabilidade ligado, os giros do motor não passaram de 2.000rpm. Com o dispositivo desligado foi um pouco melhor, aos 2.700rpm. Não é possível desligar o controle de tração. A Mercedes diz que a limitação visa um equilíbrio entre esportividade e economia pois o carro não é um esportivo. Em qualquer configuração, o carro não despeja a força do seu motor de uma vez só, existe um lapso de tempo razoável, diria que de 1s para o GLA ter uma reação mais enérgica. Na recuperação de velocidade, partindo de 60km/h, em terceira marcha, foram precisos 11,18s para chegar a 120km/h. Apesar de poder regular a reação da direção, em geral ela se comporta priorizando o conforto, não há muita comunicação com o que se passa debaixo das rodas e as reações do automóvel. Pelo menos o conjunto de suspensão mais o chassis não fazem que a carroceria role demais nas curvas. No consumo, nada de grandes surpresas. Num combinado de trecho urbano e rodoviário a marca se manteve em 9,32km/l sempre usando gasolina. Trafegando somente em estrada, vimos uma certa discrepância entre os 13,4 a 14,7km/l mostrados no computador de bordo e o que íamos aferindo ao encher o tanque, que se manteve na média de 12,6 e 13,3km/l nas mesmas etapas. Por mais que a parada automática entre uma e outra bomba de combustível fosse grande, não daria uma diferença de quase 7 litros. Olhando bem, fora o status, é bem provável que você encontre algo qualitativamente semelhante, considerando o preço, em outro produto Honda ou Toyota da vida. Todavia, a conclusão vem na sensação de querer mais deste Mercedes. Talvez seja para isso mesmo que o GLA ff Night sirva, para querer tomar contato com esse mundo mas vendo o que existe a mais nos modelos mais caros e sofisticados, criando um fluxo que o faça buscar mais grana e comprar um carro de padrão acima. O GLA ff Night virou uma armadilha, e talvez você não queira escapar dela.

Onde achar:

Mercdes-Benz

www2.mercedes-benz.com.br

IMG_5510_tratada-baixa