Fumaça no horizonte

Em depoimento à Justiça Federal no dia 18 de março, o ex-ministro da Fazenda Antonio Pallocci declarou que propinas foram pagas ao então presidente Lula em cima das negociações de compra de helicópteros e submarinos franceses acertado em 2008. Segundo o ex-ministro o acordo teria sido feito em 7 de setembro de 2009, na época em que Nicolas Sarkozy, então presidente da França, visitava o Brasil como convidado nas comemorações do Dia da Independência. Foi nesse período também que Lula anunciou a compra de 36 caças Dassault Rafale por R$ 37,5 bilhões para atender o programa FX-2. Essa decisão pegara de surpresa até o alto comando da aeronáutica que tinha preferência pelos Saab Gripen. Tal compra foi cancelada durante o governo Dilma, em 2011. A propina relatada por Antonio Pallocci estava envolvida na compra de 50 helicópteros de grande porte e cinco submarinos. As aeronaves seriam feitas pela Helibras em Itajubá (MG) e os submarinos  numa parceria de empresas nacionais com a Marinha brasileira. Na época o negócio foi estimado em R$ 28 bilhões, sendo que os helicópteros consumiriam algo como R$5,9 bilhões. O primeiro pagamento de cerca de R$ 7,2 bilhões seria feito em 2010. O programa HX-BR é um dos grandes planos do governo envolvendo a indústria de asas rotativas no Brasil. O modelo escolhido foi o H225M. Da categoria de 11ton e alcance de cerca de 700nm, permite que sejam embarcados de 20 a 29 pessoas, pode ser reabastecido em voo e tem capacidade de carga externa de até 4.750kg. Em sua essência é um Aérospatiale SA-330 Puma alongado, com novas tecnologias embarcadas, rotores e motores mais modernos. O pacote entregaria 16 exemplares para cada força armada, além de dois exemplares que serviriam a Presidência da República. A Helibras ganharia com a possibilidade de montar os H225 aqui, haveria transferência de tecnologia, além de qualificar a mão de obra local para trabalhar em desenvolvimentos de novos projetos, tanto é que na época da cerimônia de lançamento do programa e da construção da nova ala na sede da empresa em Minas Gerais que abrigaria a linha de montagem dos H225, foi alardeado que um novo helicóptero leve para os mercado civil e militar poderia ser projetado no Brasil para atender o mercado mundial. Coisa que por enquanto não aconteceu. O primeiro H225M que passou por todos os processos de fabricação no país foi entregue para a Marinha em 13 de junho de 2014, antes disso onze exemplares já haviam sido entregues, mas essas foram apenas montadas no país. O programa HX-BR sofreu um período de certo estresse com a falta de recursos do governo que resultou na diminuição da cadência de produção e no atraso de dois anos, de 2017 para 2019, para a conclusão das entregas das aeronaves. Em 27 de dezembro de 2018, a Helibras havia entregue a 34ª unidade do contrato HX-BR, um HU-12 como é conhecido o H225M na Marinha. Esta era a última configurada na versão básica Plus e será utilizada em missões de combate, busca e resgate. Procurada a Helibras declarou que não tem nenhum comentário em relação às notícias divulgadas pela imprensa e permanece comprometida em apoiar as autoridades, se necessário.

Destaque_1_2